29/07/2018

Livro para estudantes de doutoramento - The A-Z of the PhD Trajectory: a Practical Guide for a Successful Journey



Sigo há muitos anos a Eva Lantsoght e o seu fantástico blog PhD Talk, onde ela escreve sobre o processo de fazer um doutoramento, a vida no meio académico, dicas de gestão de tempo, de escrita científica, de self-care, e por aí fora. Recentemente foi publicado pela Springer o seu primeiro livro, The A-Z of the PhD Trajectory: a Practical Guide for a Successful Journey, e claro que aproveitei as minhas férias para o comprar e ler. Neste post vou então escrever um pouco sobre este livro da Eva Lantsoght.

O livro destina-se principalmente a estudantes de doutoramento nas áreas da ciência e tecnologia, mas também a professores/orientadores, para que possam ajudar os seus alunos ao longo deste processo. Os principais tópicos discutidos são a definição da questão de investigação, como fazer uma revisão da literatura, preparar e executar experiências, gestão do tempo, escrita científica, apresentações académicas, e preparar uma carreira após o doutoramento.

O livro está organizado em duas partes. A parte I engloba os vários aspetos do percurso do doutoramento, ao longo de 14 capítulos, e a parte II é um glossário (o A-a-Z) com muita informação sobre tópicos específicos.

O que é que eu achei do livro?

Primeiro, as coisas más - ou a coisa má: o livro é muito caro. Paguei cerca de 63 euros pela versão kindle, valor este que está fora do orçamento de muitos estudantes de doutoramento, pelo menos em Portugal. Nestes casos, fará mais sentido o professor/orientador comprar o livro para si e disponibilizá-lo aos seus alunos.

Agora, as coisas boas - adorei o livro! Eu gosto muito da escrita da Eva, é leve, fluida, e consegue agarrar-me até ao fim. O livro é extenso (a versão em papel tem quase 400 páginas) e consegui ler tudo em uma semana. Adorei os exemplos pessoais que a Eva dá para ilustrar os vários capítulos. Vê-se que é alguém que fala por experiência própria, que partilha os seus sucessos mas também os seus erros, e isso é muito motivante - ficamos a pensar, se estas estatégias resultaram com a Eva, também vão resultar comigo!

As minhas partes preferidas do livro? A gestão do tempo, claro, que é um tema que me apaixona. A Eva dá inúmeras dicas sobre como organizar as coisas a fazer e otimizar o tempo que temos. Por exemplo, ela fala sobre a importância de reservarmos um bocadinho todos os dias para escrever (a tese, artigos, seja o que for), pois a escrita, como geralmente não tem prazos, fica esquecida no meio das outras coisas todas... Ela aconselha também um horário semanal das atividades, para que possamos encaixar não só o tempo para escrever, como as outras coisas que têm que ser feitas (como ela mostra aqui). Ela sugere também o uso dos pomodoros (que eu adoro! Já escrevi sobre isso aqui) como estratégia para aumentar o foco. Outra coisa que ela sugere (que eu já fiz, mas depois deixei e agora tenho que voltar a fazer outra vez - será sexta-feira à tarde!) é reservar um tempo específico para ler os artigos que vão sendo publicados - é a única maneira de nos mantermos a par dos progressos em cada área.

Mas devo dizer que o capítulo que teve mais impacto em mim foi o capítulo 9 - Communicating Science in the 21st Century. Aqui a Eva fala acerca dos blogs como forma de disseminação da investigação, o uso do Twitter, e a importância do online branding. Termos uma presença online visível, ativa e positiva pode conduzir a novas oportunidades, e por isso, mal acabei de ler este capítulo, atualizei o meu perfil no ResearchGate e voltei para o Twitter (e graças a isso já soube de oportunidades que desconhecia, já aprendi coisas novas e já me ri imenso).

Para concluir, gostei muito do livro. Já li outros livros sobre a mesma temática, mas este tocou-me mais por ter tanto da experiência da Eva lá dentro. É um livro que recomendo, embora o preço seja um pouco proibitivo. Por isso, seria interessante se as bibliotecas universitárias o adquirissem, disponibilizando-o para toda a comunidade académica.

(o livro na Amazon e na Springer)

04/07/2018

Estou livre!!

No passado dia 19 de junho fiz o meu último exame na universidade. O último! Acabaram-se 4 anos de aulas (como aluna), de estudar para frequências e exames, de trabalhos, de estudar, de perder fins-de-semana a estudar ou a fazer trabalhos. Há um ano atrás estava a acabar a licenciatura em psicologia, agora acabei a parte curricular do mestrado em psicologia clínica. No próximo ano letivo tenho apenas a tese, que para mim é easy peasy, visto que fazer investigação científica é o meu trabalho, e o estágio. O estágio assusta-me mais, pois... é o estágio - dar consultas, ajudar as pessoas. Na investigação sinto-me super à vontade, visto que é o que faço há uns 15 anos, mas dar consultas como estagiária de psicologia... nunca fiz isso na vida e não sei bem o que me espera... Seja como for, não tenho mais frequências nem exames, nunca mais!!!!

Sinto-me livre!! Livre para passar uma manhã inteira de sábado na praia ou na piscina e uma tarde inteira de domingo a ler. Livre para vegetar, para não fazer nada! Livre para organizar o meu tempo ao meu jeito, sem os deadlines dos trabalhos ou os dias das frequências. 

Agora estou de férias, o mês todo de julho, como sempre. Trouxe trabalho para fazer nas férias, como sempre. Mas em agosto começa a minha nova vida, sem ter que pensar em aulas ou frequências ou trabalhos. 

Sim, já estou a repetir-me demasiado, mas a sensação de liberdade é tão boa!

E para quem acha que eu não vou ficar por aqui e ainda vou tirar outro curso: não, já não tenho parede para pendurar os diplomas (se bem que os cursos de desporto e de nutrição agradam-me...) ;))

14/06/2018

Partilhar a vida pessoal online - a minha opinião

Acabei de ler este post da Lénia e lembrei-me de um comentário que deixei há muitos anos no blog da Astrid, precisamente sobre a partilha da vida pessoal nos blogs. 

A Lénia diz que a sua vida pessoal tem pouquíssimo interesse. A Astrid refletia sobre a partilha da sua vida pessoal no blog e perguntava-nos o que é que achamos fascinante na vida das outras pessoas. E eu respondi assim à Astrid isto foi em agosto de 2011!!!):

I also love to see how other people live, for many reasons. For instance, I like to read about other people's daily routines, their thoughts and ideas about living and everyday issues, how they plan their lives, how they decorate their homes... The purpose of that is basically to get inspired and thus improve my own life... 


My life has indeed changed so much (for the better) when I started reading blogs - if you remember, you inspired me to leave my car at home and walk to work! Other blogs have influenced me in so many good ways! Here are some changes I made inspired by other people I met online: I started to sew, I got into the crafting world, I opened an Etsy shop, I started to take control of my finances, I became much more organized (both at home and at work), I finaly discovered my style, in terms of fashion and home decor, I started taking more pictures (inspired by you) and bought a nice camera, I rediscovered shooting film and my dad's old Nikon camera (also inspired by you), I'm in the process of becoming an early riser, and overall, I believe I became a better mum and wife.


So, yes, getting a glimpse into other people's lives made my life much better. 


As for my own blog and sharing my life online, I obviously only share a small part of it - an edited version, as you put it. Why, because many times life is too ordinary, or there isn't enough time to write and take pictures of the interesting parts... Anyway, the best comments I get on my blog are those saying "you have inspired me to do this" - because that's precisely how I feel reading many other blogs - such as yours. So, if I can inspired just one person to improve their life just a tiny bit, I'd be happy! 

A minha opinião continua a ser esta. Eu gosto de olhar para a vida das outras pessoas (não de todas, obviamente), porque me inspira! As pessoas inspiram-me a fazer melhor, a lutar pelo que quero, a mudar o que está mal. Desde que comecei a ler blogs, penso que no verão de 2009, a minha vida mudou consideravelmente. Vi o que estava mal, o que estava bem, vi como é que as outras pessoas fazem as coisas e vi como posso aprender com os outros e fazer alterações positivas na minha vida.

Eu não descobri a pólvora! O que descrevo aqui é, simplesmente, a aprendizagem social. A aprendizagem social é uma das formas que nós usamos para aprender, por observação de um modelo (ou seja, de outra pessoa). Além de usarmos a aprendizagem social no dia a dia, muitas vezes sem nos apercebermos, esta é uma técnica que também é usada em psicoterapia, quando se quer mudar um comportamento, através da observação e imitação de um modelo que é competente no comportamento alvo.

Além disso, acho que as pessoas são interessantíssimas! A nossa personalidade, as nossas motivações, os nossos comportamentos, tudo isso me fascina (ou não tivesse eu ido estudar psicologia). Por isso, Lénia, não digas que a tua vida pessoal tem pouquíssimo interesse. Podemos achar isso da nossa vida, mas podemos ser uma fonte de inspiração para outras pessoas - o modelo que outra pessoa vai usar para mudar algum comportamento. Compreendo que não devemos e não podemos partilhar tudo da nossa vida, obviamente! Mas, como escrevi à Astrid, o que apresentamos online é uma versão editada da nossa vida. Não é preciso partilhar todos os podres ou todas as alegrias. Às vezes basta uma frase, ou uma foto, para acender a luz na cabeça de outra pessoa - e assim fazer toda a diferença na vida de alguém.


09/06/2018

Psicólogos e pseudoterapeutas - a minha opinião

Sendo praticante de yoga, sou também alvo de muitos estereótipos. As pessoas assumem que sabem como eu sou ou até como deveria ser.

Que eu gosto das "terapias" alternativas e new age, que eu gosto de velinhas, incenso e aromaterapia, que devia usar medicamentos homeopáticos, que devia ser vegetariana ou mesmo vegan, que gosto de lugares calmos e silenciosos, que comecei a fazer yoga para aliviar o stress e a ansiedade... por aí fora. Estas foram algumas que já ouvi.

Só para esclarecer, gosto de incenso, sim. 

Não uso medicamentos homeopáticos. Tiram-me o paracetamol, tiram-me tudo!

Gosto de lugares calmos e silenciosos como qualquer pessoa. Às vezes são precisos. Mas a verdade é que adoro viver na cidade, ter tudo à distância de alguns passos, ver e ouvir carros e pessoas na rua. 

Como carne, adoro e não pretendo parar. Fui vegetariana durante 3 meses e desisti. O meu sistema gastrointestinal não aguentou.

Comecei a fazer yoga porque me apeteceu, não por causa do stress e ansiedade, coisas de que nunca sofri muito, felizmente.

Mas onde eu queria chegar é aqui. Não gosto de "terapias" new age, que passam cá para fora como tendo uma base científica, quando na verdade não passam de pseudociência, que usurpam e deturpam a ciência. A física quântica, por exemplo, agora é (mal) usada para justificar tudo e mais alguma coisa. Por favor... Sendo cientista, tendo anos e anos e anos de estudos em duas áreas da ciência (biologia e psicologia), vejo com maus olhos o bloom de terapeutas disto e daquilo que hoje se vê por aí. Tiram cursos da farinha amparo, aprendem umas coisinhas de psicologia (os psicólogos a sério têm no mínimo 6 anos de formação) e ficam habilitados a fazer terapia?? A lidar com pessoas que podem ter psicopatologias sérias?? A usar mambo-jambo, conversas e conceitos confusos, que não se entendem (se calhar o objetivo é esse), para explicar os problemas das pessoas? Para dar conselhos às pessoas?? Pessoas sem formação de base em psicologia, ou noutra área da saúde, são terapeutas familiares, terapeutas de casal, terapeutas emocionais?? 

O reverso da medalha. Lá um por um psicólogo ser psicólogo, ou até psicoterapeuta (que implica ainda mais anos de formação), não quer dizer que seja bom profissional. O mesmo para os pseudoterapeutas. E um pseudoterapeuta pode até ser mais empático, ter mais competências interpessoais, de comunicação, etc. que um psicólogo cheio de diplomas. Há pessoas e pessoas, claro.

Mas, do que tenho visto por aí, a maioria é treta. Pseudociência, pseudoterapeutas. Cursos rápidos e caros, diploma na mão, com o qual se pode depois ganhar dinheiro fácil. 

A sério, por favor, se têm um problema que vos causa um mal-estar significativo, que afeta o vosso dia a dia - vão ao psicólogo. Podem não acertar no psicólogo à primeira, pode não se estabelecer aquela aliança terapêutica que é fundamental no processo, mas o psicólogo é o profissional de saúde a consultar. As técnicas usadas são validadas empiricamente, sabe-se que funciona. É mais caro, sim, há falta de psicólogos no SNS, sim, mas estamos a falar da nossa saúde. É um investimento que vale a pena. Não queiram curas rápidas, milagrosas, porque essas não existem. A sério, psicólogo. 

E era isto que eu queria dizer hoje. 

13/03/2018

Update da vida

Tenho muitas saudades de escrever aqui no blog. Espero que vocês aí desse lado tenham saudades de me ler... A verdade é que, como já referi inúmeras vezes, desde que fui estudar Psicologia, o meu tempo livre diminuiu consideravelmente. Felizmente que estou quase no fim - este é o meu último semestre de aulas! Depois, espero voltar à programação habitual!

Mas afinal o que tenho feito? A minha vida tem sido escrever artigos, rever artigos, fazer trabalhos do curso; yoga, natação e ginásio; cuidar mais da casa, até porque na casa nova não tenho empregada; ler, ouvir música; andar a pé mais, agora que vivo no meio da cidade! Tem sido bom, estou contente com esta mudança e com os dias super ocupados. 

Reorganizei-me novamente. Fico em casa a trabalhar um dia e meio por semana. Os outros dias divido entre o trabalho no gabinete e as aulas do mestrado. À noite, no sofá, aproveito para adiantar alguma coisa, geralmente trabalhos do curso. Vai-se fazendo, é cansativo, rouba-me muito tempo, mas eu gosto.

Tenho saudades de dar passeios de bicicleta e de brincar na praia. (é verdade que não tem estado tempo para isso...) Tenho saudades de escrever aqui. Tenho saudades de me sentar numa esplanada a observar o mundo à minha volta. Falando em observar, lembram-se deste texto que escrevi há 5 anos? Incrivelmente, ontem conheci a rapariga do texto, num evento de trabalho! Não percebi logo que era ela, mas mais tarde lembrei-me. O mundo é pequenino! (devia entrar em contacto com ela e mandar-lhe o link do texto, não?)

Os dias correm assim, apressados, ocupados - e saborosos.


14/02/2018

Eu e a cidade



Eu gosto de cidades. Nasci em Lisboa (apesar de hoje em dia ser muito mais algarvia que alfacinha...) e vivi até aos 18 anos numa rua movimentada da capital. Adormeço muito melhor com o barulho dos carros a passar na rua do que com o silêncio do campo.

Há 14 anos que vivo no Montenegro, uma freguesia de Faro a meio caminho entre Faro e a praia. Mas agora surgiu uma oportunidade de ir viver para Faro, para a cidade - e aproveitei-a!
Perdi a vista para o mar, mas mantenho a vista para a serra. Ganhei uma vista desafogada sobre a paisagem urbana - de que gosto bastante. Continuo a ouvir os pássaros a cantar - esta manhã até passou uma gaivota por uma das minhas varandas! E, mais importante, tenho imenso sol que entra pela casa dentro o dia todo. 


Tenho supermercado, correios, bancos, mercado municipal, piscinas, complexos desportivos, ginásios, tudo a pouca distância a pé. Era o que eu queria - ser menos dependente do carro para me deslocar. No Montenegro, qualquer coisa tinhamos que ir de carro... A única desvantagem é que os miúdos já não podem ir de bicicleta para a escola e eu não posso ir a pé para a universidade... Mas de resto... viver na cidade tem, para mim, muito mais vantagens. Overall, estou contente com a minha casinha nova!

04/01/2018

Profundidade em vez de largura - o problema de ter muitas escolhas

Esta manhã, ao ler este post do Leo Babauta, fiquei muito feliz por alguém estar na mesma onda que eu! Como escrevi no meu post anterior, tenho imensas ideias, quero fazer imensas coisas, e isso só me atrapalha. Pelos vistos, o Leo também sente o mesmo e inspirou-se neste post do David para fazer de 2018 um ano de profundidade.

Diz o David que o Depth Year baseia-se na ideia de mais profundidade, não alcance. Isto traduz-se em não arranjar hobbies novos, não comprar jogos novos nem livros novos. Em vez disso, devemos encontrar valor naquilo que já temos ou naquilo que já começámos. Vamos melhorar as nossas competências em vez de aprender novas. Vamos ler livros que já temos e ainda não lemos, ou reler os favoritos, em vez de comprar novos. Vamos pegar novamente na guitarra em vez de iniciar um novo instrumento. Vamos acabar aquilo que já começámos em vez de comprar outra coisa semelhante só porque está em saldo... A filosofia é ir mais fundo, não mais amplo.

Adoro esta ideia, que está em linha com aquilo que sinto e que está por trás de uma filosofia de vida minimalista. O problema é que nesta era do consumo e da informação em que vivemos temos demasiadas escolhas, em todo o lado. E isso, em vez de nos abrir horizontes, restringe-nos. Em vez de aprofundarmos os nossos conhecimentos, fazemos muitas coisas, sim, mas superficialmente. Há uma expressão inglesa que adoro e que reflete bem isto: we spread ourselves too thin... fazemos tanta coisa que o nosso tempo e a nossa energia não são bem aproveitados. Não criamos valor, não evoluímos. Pelo contrário, quando nos impomos limites, dedicamo-nos a menos coisas e conseguimos aprofundá-las.

Tal como escrevi no post anterior, em 2018 a palavra de ordem é consistência. Quero dedicar-me a poucas coisas, mas fazê-las bem. Vou expandir a ideia um pouco, dando alguns exemplos de áreas da minha vida (tenho outras coisas que quero e não quero fazer, mas ficam estas como exemplo)...

1. YOGA

O que não quero: Fazer aulas com professores que não me dizem muito, praticar estilos que não gosto, gastar dinheiro em retiros, workshops, cursos que vão adicionar pouco valor à minha prática e à minha vida. E sobretudo, pagar subscrições de yoga online que não uso!
O que quero: Ashtanga vinyasa yoga na tradição de Pattabhi Jois. Ponto final. Ao dedicar-me apenas a esta prática, poderei aprofundá-la mais, que é o que pretendo.

2. GINÁSIO

O que não quero: Não gosto de aulas de grupo, não as quero fazer. Não vou fazer planos de treino complicados e longos só porque foi o que o PT me passou. Não vou fazer máquinas de glúteos para ficar com o rabo enorme, embora seja isso que vejo a maior parte das mulheres a fazer. Não vou pagar uma mensalidade para ir só uma vez por semana. 
O que quero: Vou voltar para o ginásio que tem sistema de senhas e assim só pago o que uso. Esse uso, para mim, é ir uma vez por semana fazer exercícios compostos (agachamento, peso morto, supino, elevações, coisas dessas).

3. NATAÇÃO

O que não quero: huum... tenho sido tão dedicada e focada na natação, que não me lembro que coisas que estejam erradas e que não queira fazer... 
O que quero: Continuar a ir assiduamente às aulas e nadar mais uma ou duas vezes por semana sozinha. É tão simples, a natação...

4. ALIMENTAÇÃO

O que não quero: Stressar-me demasiado por causa do chocolate... mas não quero comer chocolate à parva, só porque sim. Há momentos para tudo. 
O que quero: Manter a minha alimentação alinhada com os princípios do paleo/primal. Comer chocolate quando sinto que vai ser benéfico. O chocolate para mim é como o tabaco para muita gente - ajuda a diminuir a ansiedade. Em alturas de maior stress, de exames, de muito trabalho, acalma-me, centra-me, faz-me bem psicologicamente. Por isso, why not?

5. CONSUMISMO

O que não quero: Comprar coisas que não preciso, sobretudo livros para ler quando tenho imensos que ainda não li. Não quero comprar nada que não seja mesmo essencial.
O que quero: Ler todos os livros que tenho em casa que ainda não li. Quando se acabarem, ir buscar livros à biblioteca. Comprar roupa só se precisar mesmo de alguma coisa. 


Estes são alguns exemplos, mas há várias outras áreas da minha vida que quero simplificar. Vou mudar de casa em breve e a mudança vai facilitar a simplificação material - há muita coisa que não vou levar para a casa nova e vou conseguir mudar e simplificar algumas rotinas (embora a logística de outras coisas se vá complicar). Mas isso será assunto para os próximos posts!


30/12/2017

Palavra para 2018 - consistência

Os últimos anos têm sido os mais ocupados de sempre (nunca o título deste blog expressou tão bem o que se passa na minha vida!). Felizmente que tenho apenas mais um semestre de aulas (do mestrado em psicologia clínica) e depois voltamos à programação normal!

Há uns dias encontrei uma imagem que exemplifica na perfeição aquilo com que me confronto diariamente, em todas as áreas da minha vida:


Não é só na minha vida profissional, mas em tudo... eu tenho imensas ideias e quero implementá-las a todas!! Naturalmente que querer fazer tudo, e tudo ao mesmo tempo, não resulta. Já escrevi aqui várias vezes que temos tempo para fazer tudo, mas não tudo ao mesmo tempo, mas parece que tenho vindo a esquecer-me dessa grande verdade.

Também me esqueci que, como minimalista, devemos fazer um exercício regularmente: identificar o essencial e eliminar o resto (como mostro aqui).

Em 2018, quero atacar de frente estes problemas e começar pelo que me perturba mais - a minha falta de consistência. Eu costumava dizer que sou indisciplinada, ou não sou tão disciplinada como gostaria, mas após refletir, percebi que até sou disciplinada, mas nem sempre. Por isso, o que me falta é consistência - ser disciplinada de forma consistente. 

A minha palavra para 2018 é, portanto, consistência.

2018 vai ser um ano de mudanças - literalmente! Vou mudar de casa no fim de janeiro. Comprei um apartamento em Faro e tenho este à venda (é no Montenegro, arredores de Faro, e está na Remax, para quem tiver interesse). Sempre quis viver na cidade (afinal, sou de Lisboa...) para poder andar mais a pé, e por outros motivos; uma boa oportunidade surgiu e aproveitei-a. No fim de janeiro espero partilhar aqui todo o processo de mudança e, sobretudo, como fazer um lar minimalista de raiz. Aliás, esta vai ser uma excelente oportunidade para minimizar ainda mais - apesar da casa nova ser um pouco maior que esta, muita coisa não vai lá entrar!

A minha prática de yoga também encontrou um rumo. Cancelei todas as subscrições em sites de yoga online, desisti da ideia de fazer o curso de yogaterapia (o que me interessava mais no curso era a parte da saúde mental, mas tendo formação em psicologia, parece-me estranho aprender com pessoas que não são psicólogas como é que o yoga pode ser usado como psicoterapia...), e decidi que todo o dinheiro que tiver disponível para o yoga vai ser usado para estudar ashtanga - seja em Milfontes com o Tarik e a Lea, em Cascais com a Vera, ou com muitos outros professores que viajam pelo mundo a ensinar ashtanga. 

A minha prática em casa também se simplificou. Pratico ashtanga. É isso. Não preciso de videos, aulas online, aulas diferentes todos os dias. O ashtanga não precisa de nada disso. Preciso do tapete e de força para acordar cedo todos os dias para praticar. É só isso. À tarde também pratico um pouco, mas em vez de querer fazer tudo e mais alguma coisa, limito-me aos planos de força, através de movimentos de yoga, do Dylan Werner no CodyApp.

Cancelei o ginásio. Este ano abriram dois ginásios grandes em Faro e eu inscrevi-me no primeiro, e depois desisti e fui para o segundo. E depois desisti e fui para um ginásio familiar aqui ao pé de casa. Os ginásios aborrecem-me. Não gosto de aulas de grupo e não gosto de ter que pagar uma mensalidade, quando só vou lá uma vez por semana. Por isso, quando me mudar para Faro, vou voltar para o meu ginásio preferido, que só tem máquinas e um sistema de senhas, e assim só faço o que gosto e só pago o que uso. Aliás, tenho feito muita coisa ao ar livre - até comprei um TRX para usar nas árvores (ou onde der para o prender). Estando no Algarve, há que aproveitar este sol em vez de me enfiar num ginásio!

Continuo com a natação - não falha! Mesmo quando não me apetece ir, pego em mim e vou. Se me tivessem dito há um ano atrás, quando comecei, que iria ser assim tão dedicada, não acreditava! Em termos de evolução, é incrível! Há um ano atrás ficava completamente despachada ao nadar apenas 1 piscina (25 metros). Agora consigo nadar 45 minutos sem parar (ou mais, mas quando vou nadar sozinha marco 45 minutos no relógio). A natação é, sem dúvida, das melhores coisas que faço na vida. 

Em relação ao trabalho, tenho as coisas arrumadas em caixinhas temporais. Ando envolvida em três áreas de estudo diferentes e perturba-me andar sempre a saltar de uma para outra. Por isso, decidi dedicar-me a cada área em exclusivo e só passar para outra quando estiver tudo feito da primeira. Em princípio, este ano também vai ser de grande mudança na minha situação profissional (já ouviram falar da contratação dos doutorados?) e não sei bem o que me espera... Aliás, já nem faço planos para o futuro... Concentro-me e planeio semana a semana. Tenho uma visão geral mais a médio prazo que me orienta, mas sem planos ou objetivos concretos. É como diz no livro Goal-free living do Stephen M. Shapiro - usar uma bússola e não um mapa.

E basicamente, para 2018 é isto. Agora vou estudar, pois tenho dois exames no início de janeiro... ;)

E tu, qual a tua palavra para 2018?

14/12/2017

Entrevista no jornal i

Aqui fica a entrevista que dei ao jornal i sobre... minimalismo, what else? (espero que dê para ler, senão logo tiro fotos melhores...)



16/10/2017

Não quero saber do Feng Shui!


Não é bem assim, eu até gosto de muitos dos princípios do Feng Shui, mas quando isso nos torna um bocadinho obsessivo-compulsivos... é porque algo está errado...

Vem isto a propósito do espelho que tenho no quarto. Há muitos anos que tapo o espelho com um lenço antes de me deitar... Às vezes esqueço-me, e já estou na cama quando me lembro que não tapei o espelho, e levanto-me para o tapar, pois não consigo dormir sem o espelho estar tapado. What?? Isto começou a parecer-me um início de perturbação obsessiva-compulsiva... Então, decidi cortar o mal pela raiz... e livrei-me do lenço! Agora durmo sempre com o espelho destapado!

Na verdade, o problema dos espelhos, de acordo com o Feng Shui, é só quando estão virados para a cama, ou seja, quando refletem a cama - não é o caso do meu, que está ao lado da cómoda e não reflete a cama (a cómoda é que está em frente à cama).

Ser minimalista é isto - perceber o que nos puxa para baixo, o que está a mais, o que não faz falta... e o lenço a tapar o espelho não é necessário... portanto, tirei-o, lavei-o, arrumei-o com os outros, e se não o usar (que é o mais provável), irá fora. E no quarto, é menos uma coisa a acumular pó!

E tu, tapas os espelhos do quarto durante a noite?

>>>>>
Gostaste deste post? Podes partilhá-lo usando os botões abaixo.
Não queres perder outros posts? Subscreve as actualizações do blog usando uma das opções da barra lateral. Obrigada!!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...